quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Nota:Fundamentos do desenvolvimento econômico

O desenvolvimento econômico não é formado pura e simplesmente no número de novas empresas abertas e de investimento estrangeiro em setores da economia.
A estrutura do verdadeiro desenvolvimento econômico é caracterizada por alguns fatores (que sem eles qualquer tipo de crescimento torna-se inútil).
Principalmente para os países em desenvolvimento e subdesenvolvidos:
-Aumento de ganho real dos salários
-Aumento de arrecadação do Estado (principalmente por parte de impostos sobre capital e herança).
-Aumento de consumo dos bens duráveis e não duráveis.
-Diminuição da empregabilidade informal (traço característico dos países atrasados).
-O encurtamento da diferença entre as faixas de renda (ou seja, diminuição da desigualdade de ganhos entre ricos e pobres).
-Eliminação de impostos indiretos.
-Investimentos do Estado em infraestrutura, educação e saúde: A tríade obrigatória de todos os países subdesenvolvidos e em desenvolvimento para aumentarem a produtividade.
Caso contrário o crescimento do PIB acontece, o país se ''desenvolve'', mas apenas para uma pequena parcela da população.
O resultado que podemos observar na maioria desses países:
-Não constroem uma indústria nacional, restringem o mercado interno, favorecem importações e consequentemente continuam extremamente dependentes de dois ou três países que dominam completamente sua economia e as decisões que ali são tomadas.

10 posicionamentos ''impopulares''

- A legalização da maconha não vai diminuir a violência, e a maioria da pequena burguesia (ou periféricos iludidos) que utilizam desse argumento, o fazem apenas para justificar seu vicio e ser bem visto entre os desconstruídos do DCE.
- O aborto como método contraceptivo é um erro, assim como apresenta-lo como tábua de salvação para as mulheres pobres e negras. Os problemas das famílias pobres não se resumem ai, longe disso, principalmente das mulheres jovens (ao qual é direcionada a campanha, principalmente).
-A representatividade, protagonismo e lugar de fala não servem para nada. Os movimentos sociais norte-americanos já fizeram isso, e o resultado podemos observar atualmente, 50 milhões na extrema pobreza nos E.U.A, a maioria de negros, assim como são a maioria de assassinados pela policia e nas prisões.
- A questão de classes é a principal e a base de qualquer organização séria e revolucionária.
- A horizontalidade só serve a confusão e infantilidade politica, o amadurecimento mostra a necessidade de lideranças e de vanguardas organizadas.
- O porte de armas é fundamental para a classe operária e deveria ser uma reivindicação entre as organizações de esquerda de um modo geral e, claro, as revolucionárias.
- De alguma forma todo partido e organização ainda que se diga contra o revisionismo, fez algum tipo de ''revisão'' sobre a teoria marxista para adapta-la as condições concretas do seu tempo e região.
- A violência é uma ação necessária em determinados momentos da vida e consequentemente da história, mas a fetichização ou algo que o valha interfere diretamente nas analises e intervenções sobre conflitos e posicionamentos a serem tomados no âmbito politico. Tratar a violência como se fosse uma brincadeira ou um comportamento normal e corriqueiro é doentio.
- As reformas podem ser propulsoras de uma revolução ou a estagnação de um projeto econômico, isso vai depender da organização das massas e da luta de classes.
- Os liberais tupiniquins são uma piada, as organizações representantes dessa ideologia são financiadas por grandes multinacionais e bilionários que controlam verdadeiros monopólios em suas áreas de atuação, diante disso, como podem ter a pachorra de defender ''livre mercado'‘? Rs.

Os Estados Unidos não são uma fita métrica para Cuba

Os Estados Unidos não são uma fita métrica para Cuba
1) O tamanho dos países é completamente desproporcional.
2) O número de habitantes também é incomparável
3) Os Estados Unidos é o centro do sistema capitalista mundial, e justamente por isso impôs um bloqueio econômico em Cuba que dura mais de 50 anos.
4) Os Estados Unidos conseguiu essa supremacia por meio de invasões, exploração (ao extremo), guerras, ou seja, por cima da derrota de outros.
5) Cuba revolucionária ainda vivendo todas as dificuldades de um país latino-americano, pobre em recursos naturais e não industrializado consegue ter os melhores índices de qualidade de vida, longevidade (melhor do que os norte-americanos, inclusive rs.), educação e saúde da América Latina.
6) As comparações (corretas) devem ser feitas com países equivalentes da região: Jamaica, Haiti, Costa Rica, Republica Dominicana, Guatemala, Nicarágua etc.
7) E mesmo com todas essas distorções e diferenças entre esses dois países, vemos que uma família trabalhadora tem mais qualidade de vida, tranquilidade e estabilidade social em Cuba do que nos Estados Unidos

O pipoqueiro da esquina detém os meios de produção?

Resultado de imagem para pipoqueiro

''O pipoqueiro da esquina detém os meios de produção?''

Ele não detém o credito, nem a fabrica (dos carrinhos) e muito menos a plantação de milho. Geralmente faz uma jornada de no mínimo 8hrs, seis dias por semana e se não trabalhar, não come, logo pode ser encaixado no máximo como pequeno burguês (na mesma categoria de um pequeno comerciante). Não poderia ser colocado como um trabalhador (no sentido clássico) por não vender sua força de trabalho ao capitalista, mas também não tem meios de sobreviver sem trabalhar. Portanto, não, ele não detém os meios de produção.


O que é um pequeno burguês?

Pequenos comerciantes, profissionais liberais. Pessoas que não vendem sua força de trabalho ao capitalista, não detém os meios de produção (ou seja, necessitam do fornecimento de crédito dos capitalistas, da produção dos capitalistas etc.) e trabalham para viver.

Inclusive, dependendo do momento econômico do país, Marx aponta que ''Os pequenos estados médios [Mittelstände] até aqui, os pequenos industriais, comerciantes e rentiers (25*), os artesãos e camponeses, todas estas classes caem no proletariado, em parte porque o seu pequeno capital não chega para o empreendimento da grande indústria e sucumbe à concorrência dos capitalistas maiores, em parte porque a sua habilidade é desvalorizada por novos modos de produção. Assim, o proletariado recruta-se de todas as classes da população''.

A independência e o domínio neocolonial.

A independência formal de um país não o torna independente na pratica perante os países colonizadores.
Geralmente o que aconteceu historicamente foi à independência formal, ou seja, no papel. Porém todos os meios de dominação continuaram intactos, por exemplo:
-Dominação sobre o comércio interno e externo
-Dominação sobre a indústria nacional
-Dominação sobre a agricultura
-Dominação sobre o sistema financeiro
No máximo a mudança ocorreu entre os próprios dominadores e suas respectivas partes do bolo, mas o antes colonizado e agora independente permaneceu na mesma posição de subalterno, apesar da formalidade de sua alforria.
Por isso a revolução é fundamental para romper com essas amarras, claro, para o processo ser vitorioso ele deve retirar os poderes da burguesia (os meios de produção) e organizar a população na defesa da pátria e seus interesses soberanos.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Algumas características do fascismo

Resultado de imagem para fascismo

O discurso do fascismo contra o capitalismo e a democracia liberal nasce no exato momento do início do seu fracasso (as consequências do fim da primeira guerra e a quebra de 29 foram fundamentais para isso) e com o avanço dos comunistas em diversos países do mundo. Não é a toa que o ''bolchevismo''e sua revolução é temida por todas as forças politicas no século xx.

Por conta disso é necessário um antagonista que esteja preparado para confrontar o dito ''perigo vermelho'' representado não só pelos partidos comunistas, mas pelas organizações operárias e camponesas de um modo geral. Dai nasce primeiro o discurso:

1° Essencialmente antiliberal, ou seja, rejeita o modo de ação de parte dos capitalistas, principalmente dos especuladores e alguns movimentos os latifundiários também. Isso não significa que de forma homogênea tenham defendido a expropriação de toda a burguesia, socialização dos meios de produção, organização operária e camponesa.

Geralmente as propostas de contraposição ao capitalismo era o ‘’Estado corporativo’’, ‘’sindical’’ etc. O que em maior ou menor medida defende a conciliação capital e trabalho (mesmo sendo de maneira menos ‘’ortodoxa’’ do que é feito atualmente pelas organizações continuadoras desse legado).

2°Essencialmente anticomunista; combatendo ideologicamente (materialismo, ateísmo) e fisicamente os marxistas, seus partidos e organizações operarias. Numa tentativa de intimida-los para ter um maior controle ‘’operacional’’ das ruas e respectivamente dos movimentos políticos.

Porque os social-democratas e socialistas (do tipo reformista) por sua condição eleitoral e institucional foram inicialmente os primeiros alvos, acovardados, o avanço ocorreu posteriormente para as organizações revolucionárias. O resultado? Muitos confrontos, mortes e disputa pelas ruas.


As organizações representantes da 3° via crescem na medida em que o sistema democrático e capitalista entre em crise e se desintegra. Existem diversas composições e discursos, mas costumam manter uma base de alguns princípios históricos, como apontados acima.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Trump e suas propostas econômicas

Resultado de imagem para trump



Trump disse, em discurso, que sua administração diminuirá de 35% para 15% os impostos cobrados das empresas norte-americanas para que;

Não saiam dos Estados Unidos


As empresas que estão na China e México retornem ao seu país de origem (E.U.A).

Se existe um consenso entre democratas e republicanos e seus respectivos lobos solitários é a sistemática diminuição dos impostos para a elite estadunidense. Em contrapartida, claro, as isenções aos capitalistas são repassadas aos trabalhadores e classe média que consequentemente pagaram mais tributos.

Num dos discursos durante a campanha, Trump, prometeu um gigantesco pacote de investimento (1 trilhão de dólares em infraestrutura). Bom, para ser viável é necessário o Estado ter arrecadação suficiente, justamente para poder promover tais obras e a ''reconstrução'' do país, como ele mesmo disse.

1°: O problema é que, com o corte de impostos sobre as multinacionais, especuladores (porque já se fala em desregular ainda mais Wall Street) e grandes indústrias norte-americanas, não haverá dinheiro para isso, logo, será obrigado a endividar ainda mais o Estado para cumprir nem que seja 50% da promessa de campanha.


2°: A mão de obra norte-americana é mais cara que a chinesa e mexicana, inclusive, Trump afirmou que a Apple e outras empresas que voltem a produzir diretamente nos Estados Unidos não utilizaram o mesmo ''modo de produzir'' que praticam na China.


Isso efetivamente significa o aumento do custo de produção com mão de obra e também com logística, podendo envolver até redução de estoque etc. Consequentemente o aumento de preços dos produtos de forma geral irá criar uma bola de neve (inflação, menor poder de compra, salário em grande parte comprometido com produtos básicos, diminuição do crédito).

O consumidor norte-americano está realmente disposto a passar por isso?

Na pratica não, porque o consumo a baixo custo é o que mantém a economia interna girando, caso contrário à estagnação e crise estrutural retornará mais forte do que em 2008. A falsa recuperação da economia norte-americana vem daí.

Outro exemplo é em relação aos mexicanos:

A dependência econômica crescente, principalmente desde 1994 do México em relação aos Estados Unidos, a partir do acordo TLCAN, mostra como será difícil essa mudança por parte do governo Trump, para a ''recuperação dos empregos no setor produtivo'' pelo simples fato que, também os norte-americanos, faturam alto com tais acordos de livre comércio.

Um exemplo concreto ; os carros vendidos nos Estados Unidos em sua grande maioria são fabricados no México, claro, por conta da mão de obra barata, foi exatamente essa a motivação das fabricas automotivas terem ido para lá.

É aberto, então, outro dilema:


1°:Os trabalhadores norte-americanos irão receber o mesmo valor dos operários mexicanos para produzir os carros para em troca terem seus empregos de volta (ou seja, baratear sua mão de obra).

2°: Os trabalhadores norte-americanos vão manter o valor da sua mão de obra, ao mesmo tempo em que se aumenta o custo de produção e assim o preço do carro.

3°:As fabricas vão continuar onde estão pelo bem da economia interna e os operários dessa área continuarão sem emprego.

Não há muitas alternativas, até porque é muito vantajoso para o consumo (principalmente para as empresas), na mesma medida que é completamente desastroso no que se refere ao desemprego.

De qualquer maneira, a elite continuará ganhando, pois essa classe não irá retirar a sua margem de lucro para favorecer qualquer consumidor que seja então é obvio para quem os custos serão repassados.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Reforma agrária e cooperativização:passos fundamentais rumo ao desenvolvimento rural

Resultado de imagem para reforma agrária

A direita nacional considera a reforma agrária um ato ''socialista''. Nada mais equivocado, porque a reforma agrária nada mais é que a expropriação do latifúndio, ou seja, da organização produtiva atrasada baseada em monocultura. Redistribuindo as terras para pequenos e médios agricultores para favorecer um aumento da produção, a sua diversificação, e o favorecimento de um plantio saudável.

Todos os países capitalistas desenvolvidos fizeram a primeira parte da reforma agraria expropriando o latifúndio. 

-Num primeiro momento a nacionalização da terra seria muito importante para impedir que qualquer conglomerado estrangeiro ou empresas privadas mistas possam ter qualquer pedaço de terra no Brasil.

2°:Expropriar todo o agronegócio, ou seja, a monocultura. Promovendo dessa forma a verdadeira reforma agrária. Lembrando que 70% dos alimentos produzidos são originários da agricultura familiar (fonte: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2015/07/agricultura-familiar-produz-70-dos-alimentos-consumidos-por-brasileiro).

3°: Ao mesmo tempo estimular e expandir a criação de cooperativas agrícolas, e que os pequenos e médios agricultores também se associem, dessa forma o trabalho e o projeto rural nacional não permanece individualista e propenso a criar novos latifúndios (isso aconteceu nos Estados Unidos, por exemplo; fonte: https://actualidad.rt.com/actualidad/217564-eeuu-diez-mayores-propietarios-tierras).

4°: O poder do agronegócio e sua influência politica vêm justamente do dinheiro, ou seja, do lucro de seus latifúndios, expropriando todos esses elementos o dinheiro acaba (ou ao menos diminui consideravelmente, já que podem ter investimentos na especulação financeira também) e com essas ações qualquer tipo de relevância que possam ter em relação ao Estado se extingue.